sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Caravela Portuguesa







A caravela-portuguesa (Physalia physalis), também conhecida como garrafa-azul, é uma colónia de animais do grupo dos cnidários. Tem cor azul e tentáculos cheios de células urticantes, e aparece nas águas de todas as regiões tropicais dos oceanos.Atenção: isto nao é so 1 ser sao milhares.
Características gerais:
A caravela-portuguesa não tem movimento próprio - flutua à superfície das águas, empurrada pelo vento, com os seus tentáculos por baixo, sempre prontos a envolver um peixe para a sua alimentação. Os seus tentáculos podem chegar aos 30 metros.

A caravela portuguesa é comummente identificada como uma água-viva, mas na verdade é uma colónia de quatro tipos de pólipos. A caravela-portuguesa tem quatro tipos de pólipos:

Um pneumatóforo transformado numa vesícula cheia de ar;
Os dactilozoóides que formam os tentáculos;
Os gastrozoóides que formam os "estômagos" da colónia; e
Os gonozoóides que produzem os gâmetas para a reprodução.
Os cnidócitos, que são as células urticantes, portadoras dos nematocistos, encontram-se nos tentáculos e são accionados pela "rede nervosa". A caravela-portuguesa tem dois tipos de nematocistos: pequenos e grandes; estes "órgãos" conservam as suas propriedades por muito tempo, mesmo que o indivíduo tenha ficado várias horas a seco na praia. A sua acção é baseada nas suas pressões osmótica e hidrostática individuais. Existem numerosas células sensoriais localizadas na epiderme dos tentáculos e na região próxima da boca.

A caravela-portuguesa é importante para a alimentação das tartarugas marinhas, que são imunes ao veneno.

Um animal semelhante é a velella. O flutuador da caravela é simétrico bilateralmente com os tentáculos no final, enquanto a velella é simétrica radialmente com a vela em ângulo. Além disso, a caravela tem um sifão, e a velella não.

Reprodução :
Cada indivíduo tem gonozoóides só de um sexo.

Um exemplar de caravela-portuguesa é na verdade uma colónia de organismos unissexuais. Cada indivíduo tem gnozoóides específicos (órgãos sexuais ou partes, do sexo masculino ou feminino, destinadas à reprodução). Cada gnozoóide é formado por gonóforos, que são pequenas bolsas contendo exclusivamente ovários ou testículos. Por isso esses animais são classificados como dioécios, ou seja, os sexos são sempre separados entre exemplares macho e fêmea.

As suas larvas desenvolvem-se muito rapidamente, e transformam-se em pequenas criaturas flutuantes.

Acredita-se que a fertilização da P. physalis ocorra em alto mar, pois os gâmetas dos gnozoóides são expelidos na água. Isso acontece porque os gnozoóides propriamente ditos destacam-se da estrutura principal e são lançados para fora da colónia. Esse facto pode ser uma resposta química que acontece quando grupos de caravelas-portuguesas estão presentes em uma mesma região. Uma densidade populacional mínima de caravelas-portuguesas é necessária para que ocorra a fertilização. Boa parte da reprodução acontece no período do Outono, produzindo a grande quantidade de exemplares jovens que são comummente avistados durante o Inverno e a Primavera. O facto específico que desencadeia esse ciclo reprodutivo nessa época do ano ainda é desconhecido, mas começa provavelmente no Oceano Atlântico. A fertilização pode acontecer próximo à superfície. É assumida fertilização de physalis de PÁG. para acontecer água ao ar livre, porque são derramados gametes do gonozooids na água. Isto pode acontecer como gonozooids eles estão apagado quebrados e lançaram da colónia. O lançamento de gonozooids pode ser uma resposta química que acontece quando se agrupa de Homem-de-guerras está presente em um locality. É requerida densidade crítica provavelmente por fertilização de succesful. Fertilização pode acontecer perto da superfície. A maioria reprodução acontece pelo outono e produz a grande abundância de jovem visto durante o inverno e fonte. Não é conhecido que gatilhos este ciclo desovando mas provavelmente começa no Oceano Atlântico.

Desenvolvimento de Cela de gérmen

Cada gonophore tem um spadix central de celas de endodermal de multinucleate que separam o coelenteron de uma capa de celas de gérmen. Cobrindo cada cela de gérmen é uma capa de tecido de ectodermal. Quando gonophores primeiro broto, a capa de gérmen é um boné de celas em cima do spadix de endodermal. Como gonophores amadurecem, as celas de gérmen desenvolvem em uma capa que cobre o spadix. Spermatogonia formam uma capa espessa, enquanto oogonia formam uma faixa enrolada várias celas largo, mas só uma capa de cela espesso. Há muito pequeno material de cytoplasmic dentro destas celas, exclua durante instâncias raras quando divisão de cela está acontecendo. Oogonia começam desenvolvimento a aproximadamente o mesmo tamanho como spermatogonia, mas fique consideravelmente maior. Todos o oogonia são formados aparentemente em uma fase cedo de desenvolvimento de gonophore anterior para a ocorrência de amplificação. De maneira interessante, lá parece ser glóbulos de suarda dentro do citoplasma da maioria do oogonia.

Comportamento :
Locomoção é geralmente passiva, dirigida por vento e atual. A colônia não pode nadar, mas flutuadores pela ajuda de seu pneumatophore, ou flutuador. O flutuador é uma bexiga longa, gás-cheia, formada como um pólipo enorme na forma de uma bolsa fechada. Alguma Homem-de-guerra é " esquerda--d, " enquanto outros são " direito--d ". O " esquerda--d " ventos individuais a um ângulo de 45 graus à direita da direção da qual o vento está soprando, e o " direito--d " o indivíduo faz o oposto. Esta distinção é crucial o esparramando mais uniformemente dos animais em cima dos oceanos mornos do mundo.

Alimentação :
A Caravela-portuguesa apanha a sua comida com os tentáculos. Alimenta-se principalmente de peixes jovens ou adultos pequenos, e também consome camarão, outros crustáceos, e outros animais pequenos no plâncton. Cerca de 70 a 90% das presas são peixes.

Os tentáculos, ou dactylozooids, é os mecanismos principais de Homem-de-guerra por pegar sua presa e também é usado para defesa. Physalis de PÁG. às vezes apanha e consome maior pesca como peixe voador e cavala, entretanto pesca tão grande quanto estes geralmente conseguem escapar dos tentáculos. A comida da Homem-de-guerra é digerida em seu bolsa-como engole (gastrozooids), são localizados que ao longo do lado inferior do flutuador. O gastrozooids digerem a presa secretando enzimas que proteínas, carboidrato e gorduras. Cada Homem-de-guerra tem gastrozooids múltiplo completar com bocas individuais. Depois que a comida fosse digerida, qualquer restos de undigestible é empurrado fora pelas bocas. A nutrição da comida digerida é absorvida no corpo e eventualmente circula aos pólipos diferentes na colônia.

A Homem-de-guerra portuguesa é a sócia exclusiva da classe Siphonophore com uma colônia de unisexual; é distinto por um flutuador contrátil, horizontal. Embora geralmente é considerado que Siphonophora são o hydrozoans mais especializado, alguma reivindicação de investigadores que é de fato a ordem mais primitiva, com a medusa e o pólipo não completamente diferenciou. Apoio adicional para esta visão vem da observação que os poderes regenerativos do Homem de Guerra são pobres, em contraste com mais outra água-viva.

Um aspecto importante do comportamento da Homem-de-guerra é as relações simbiônticas entre a Homem-de-guerra e espécie de vários genera de peixe: o gênero Nomeus contém vários (um peixe de minonwlike), o clownfish (comumente chamou o Homem de peixe de Guerra), e o amarelo-ice. Estes pescam ao vivo dentro dos tentáculos de um Physalia e raramente são vistos em outro lugar. Os peixes, particularmente o clownfish, produzem um muco enlodado que causa a Homem-de-guerra para não incendiar seu nematocysts. Quando primeiro apresentou a uma Homem-de-guerra, um Nomeus nada inicialmente perto da superfície e ao redor do Physalia em um padrão circular grande em à direita e à esquerda direções. Além, evita o dactylozooids maior e permanece perto da superfície e alimenta nos tentáculos que só mentem debaixo do flutuador. Em vez de desenvolver um " muco protetor ", o peixe depende de suas habilidades natatórias como seu mecanismo principal de defesa, enquanto vivendo na descarga venenosa do Physalia.

Uma curiosidade é o nome da caravela-portuguesa noutras línguas: em inglês, chama-se "Portuguese man o'war", literalmente "homem de guerra português", sendo que man-of-war é uma expressão para um navio armado Gostou? então ajude este blog a continuar ao clicar num dos anúncios (publicidade) disponíveis. Obrigado

11 comentários:

  1. Bem! Quando pequeno fui muitas vezes "picado" por caravelas. Seria sorte nao me ter acontecido nada mais que a dor que mais parecia queimadura? Bem nos esfregavamo-nos na areia e depois esfregavamos as marcas ate sangar.A dada altura do ano iamos a praia e lá estavam elas na areia aos montes e o divertimento era pisa-las só que geralmente ao rebentar os "fios" satavam para o pé ou perna e la era aquela dor. Mesmo depois de mortas os fios faziam o mesmo efeito, isso em Angola a muitos aninhos. No verao passado vi no porto e como nadador antigo estive a mostrar aos nadadores e a alertar e eles ficaram perplexos porque eu pagava nela e nos "fios".Pica e doi sinto mas nada mais a nao ser alguma posso chamar urticaria na ponta da lingua.quando sinto isso deixo de me expor.talvez tenha alguma resistencia por ter crescido a levar com elas toda a infancia mas nao sou maluco. O corpo diz-nos ate onde ir.

    ResponderEliminar
  2. No fim da década de 70, fui "picado" por uma caravela prtuguesa na praia do porto pim, na ilha do Faial. Na tentativa de evitar o contacto com a caravela, estando eu a nadar, mergulhei a cerca de 4 metros da sua cabeça. foi com enorme susto que, derepente senti o corpo todo envolto pelos seus tentacúlos, que eram as centenas e extremamente finos. nadei de seguida para terra, acabando por dar entrada no hospital com sintomas de um profundo choque eléctrico. Cheguei a desmaiar, provavelmente pele intesidade da dor causada pela descarga electrica. Fui tratado com injecções...não me lembro se seria alguma substancia anti venenosa. Fiquei com muitas cicatrizes espalhadas pelo corpo todo. Passados cerca de 2 meses desapareceram em definitivo.

    Osvaldo

    20 de Novembro de 2010

    ResponderEliminar
  3. Respostas
    1. imagine voce entao (:

      Eliminar
    2. minha prima já foi picada ela disse q doi pra caralho

      Eliminar
  4. só quem provou o seu veneno sabe descrever a intensidade do que se sente...eu n a conhecia, numa praia no Guraruja(sp/brasil)vi aquela coisa bonitinha boiando, pensava ser um brinquedo de alguma criança.....Ai ai ai....fui levada de ambulancia quase inconciente para um pronto socorro ali da praia...eu urrava de dor...corria de um lado pra o outro nada fazia aquilo parar de doer....fiquei com centenas de pontinhos na extenção da coxa onde fui atingida...a dor era de uma queimadura de 3° grau, até os ossos doiam...cada pontinho daquele foi como a agulha de uma seringa, injetando aquele maldito veneno
    Foi a dor mais intensa que conheci

    ResponderEliminar
  5. uma vez em peniche haviam milhões delas, mas eram muito pequenas, de qualquer maneira, vi um banhista a ser picado e reparei que a dor era muito intnsa, apenas pela picada de uma pequena caravela...

    ResponderEliminar
  6. da dor so de ver os comentarios dessa galera

    ResponderEliminar
  7. poxa eu fiquei igual aquela mulher quando me enrolei todo em uma caravela portuguesa que era de ums3 metros pensei quando olhei que era anxol pq queimou muito e cortava tudo isso ocoreu na praia de salvador.
    laila vitora da comquista

    ResponderEliminar
  8. Hoje tive o azar de me cruzar com um bicho destes numa praia na ilha da Madeira.
    E como diz a Mafeliz é uma dor intensa e a juntar a esta dor estava a fazer reação alergica, que tive que me derigir ao Centro de Saude mais proximo para levar injecções para as dores e a reação alergica.
    Nunca pensei que fosse um bicho pois mais parecia um balãozinho a boiar na agua :(

    ResponderEliminar